Imprensa

Casas de Memórias: o passado presente


Uma música, um cheiro, uma peça de roupa ou um crochê. Preservar a identidade regional é manter viva, através de acervos, a cultura e tradição de um povo. Com esse objetivo o Salão de Exposição do Centro de Divulgação Ambiental (CDA) do Consórcio Itá e as Casas de Memórias, localizadas ao longo dos municípios lindeiros à Usina Hidrelétrica Itá, têm um papel importante não só para os moradores locais, mas também, para os visitantes que passam a conhecer nelas uma parte do passado através de objetos, que por si só, contam suas histórias. 
No próximo dia 18 de maio será lembrado o Dia Internacional dos Museus. Neste ano o tema trabalhado será: “Os museus como eixos culturais: O futuro das tradições”. O objetivo da data é informar sobre o quanto os museus são um importante meio para o intercâmbio cultural e enriquecedor das culturas. Estes espaços, como pontos situados no coração da sociedade, têm o poder de estabelecer um diálogo entre culturas e de construir pontes.
Em Itá (SC), junto ao CDA, o visitante tem acesso a essa memória regional através do Salão de Exposições que traz em seu acervo dados históricos, fotos e peças que cumprem o papel de resgatar a cultura, dentre eles trabalhos em palhas e bordados que expõe o talento artesanal passado de geração em geração (foto). 

O resgate
Desenvolvido na década de 90, o chamado “Programa Arca de Noé”, teve o papel de preservar a história de uma região que passava pelas transformações da construção de um empreendimento, como a Usina, que geraria grandes transformações. O programa desenvolveu uma série de ações, desde o levantamento de peças e documentos representativos da história e da cultura local, seleção e identificação dos materiais recolhidos, assim como o apoio para a criação de espaços permanentes nos municípios para a divulgação do acervo local.
Como peça central deste resgate instituem-se as Casas de Memórias, edificações realocadas que tem em suas essências o caráter de “museus comunitários”. Estas casas foram instaladas nos municípios de Itá (SC), Alto Bela Vista (SC), Aratiba (RS), Severiano de Almeida (RS), Mariano Moro (RS) e Marcelino Ramos (RS). Em duas delas, Marcelino Ramos e Alto Bela Vista, foram implantadas as casas “Memórias do Estreito do Rio Uruguai”. Nestes locais, é possível através de elementos como fotos, maquetes e vídeos, preservar viva a história daquele monumento natural, hoje submerso pelas águas do reservatório da UHE Itá.

Compartilhe:

Artigos relacionados

Notícias

Ver outras notícias