Imprensa

Programa de visitas é opção para o período de férias


O Centro de Divulgação Ambiental – CDA, do Consórcio Itá, instalado em Itá (SC), mantém seu programa de visita nos 12 meses do ano, uma oportunidade para a comunidade e turistas conhecerem mais sobre a Usina Hidrelétrica Itá. No local é possível conferir maquetes da estrutura da Usina, registros fotográficos, projetos de engenharia, audiovisuais e um Salão de Exposição com um rico acervo social e ambiental. O local fica aberto para visitação de terça-feira a sábado, das 7h30 às 12h e das 13h30 às 17h30. 

Além da visitação ao Centro de Divulgação Ambiental, também são oferecidas visitas guiadas, com hora marcada para grupos. Estas visitas devem ser agendadas antecipadamente através da Linha Verde do Consórcio Itá: 0800 645 5800, o e-mail cda@cda.org.br ou através do site http://consorcioita.com.br/visitas.html. Não há limite de idade para os passeios, desde que os menores estejam acompanhados de responsáveis. Os visitantes podem também realizar:

• Visita ao Horto Botânico;
• Trilha do Serelepe (Trilha Ecológica com acessibilidade);
• Visita Externa: Filme institucional e estrutura da Usina - vertedouro principal, tomada d'água e pátio da casa de força;
• Visita Técnica: Filme institucional e estrutura da Usina - vertedouro principal, tomada d'água e visita interna à casa de força (+18 anos);
• Módulo de Avaliação da Energia Solar: palestra sobre as estruturas e as tecnologias que compõe o módulo e visita externa ao modulo de avaliação.

Números em 2019

Em um balanço preliminar dos atendimentos realizados pelo Centro de Divulgação Ambiental, através do programa de vistas, no período de 02 de janeiro à 30 de novembro deste ano, foram atendidos 12.196 visitantes, uma média de 1.200 visitantes ao mês.

Curiosidades

No Salão de Exposição o visitante encontra também registros da antiga e da construção da nova cidade de Itá. A realocação do núcleo urbano foi a primeira atividade concreta das obras da usina, tendo sua construção iniciada em 1983 e a vinda dos primeiros moradores cinco anos depois. Da antiga cidade, hoje submersa pelas águas do Rio Uruguai, existe um acervo contendo imagens, recortes de jornais da época e registros históricos, como por exemplo, da última missa na cidade velha, aos pés das torres da igreja.

Compartilhe:

Artigos relacionados

Notícias

Ver outras notícias