UHE Itá

Conheça nossa História

  • 1966-1969

    O Comitê de Estudos Energéticos da Região Sul desenvolve estudos para caracterizar os recursos hidroenergéticos da bacia do rio Uruguai e monta um programa de construção de usinas hidrelétricas.

  • 1977-1979

    Os estudos são revisados levando em conta não apenas o melhor aproveitamento energético do rio, mas também aspectos socioeconômicos, culturais, fisioterritoriais e ecológicos. Deste inventário sai um projeto dimensionado com 22 usinas em toda bacia. Itá figura entre as prioritárias, devido ao seu porte e ao custo relativamente baixo da energia firme gerada.

  • 1979-1981

    São realizados os estudos de viabilidade, mais tarde revistos (entre 1984 e 1985), devido a mudanças hidrológicas da bacia causada por enchentes. Nesta fase, altera-se o posicionamento da barragem, que passa a ficar à montante da foz do rio Uvá. Com isso perdeu se um pouco de área de reservatório, mas a região, habitada, foi poupada do alagamento. Nesta época, começam as providências com relação à relocação da cidade de Itá.

  • 1986-1987

    Desenvolvimento e revisão do Projeto Básico, aprovado pelo Departamento Nacional de Água e Energia Elétrica.

  • 1989

    O Brasil decreta moratória e o financiamento acordado com o Banco Mundial para a construção da Usina é suspenso.

  • Para saber mais

    Para saber mais sobre a história da construção da Usina Hidrelétrica Itá, clique aqui e baixe o livro Memórias de uma Usina. O livro é um olhar sobre a complexa história e uma singela homenagem às milhares de mãos que transformaram o sonho da Usina Hidrelétrica Itá em realidade.

GERAÇÃO DE ENERGIA HIDRELÉTRICA

A Energia Hidrelétrica é a energia que vem do movimento das águas, usando o potencial hidráulico de um rio de níveis naturais, queda d'água ou artificiais. Essa energia é a segunda maior fonte de eletricidade do mundo. Frequentemente constroem-se represas que reprimem o curso da água, fazendo com que ela se acumule em um reservatório denominado barragem. Toda a energia elétrica gerada dessa maneira é levada por cabos, dos terminais do gerador até o transformado elevado.

Para aproveitar o potencial hidráulico de um determinado rio, geralmente interrompe-se o seu curso normal através de uma barragem que provoca a formação de um lago artificial chamado reservatório, o qual tem a saída de suas águas controlada pelo vertedouro ou pela comporta da tomada d’água. A água é conduzida até a casa de força através de túneis forçados, passa pela turbina hidráulica, a qual movimenta o gerador. Logo após, a água é restituída ao leito natural do rio através do canal de fuga.

Dessa forma, a água, ao passar pela turbina, faz com que essa gire; por estar acoplada mecanicamente ao gerador, o mesmo, ao girar, transforma a energia mecânica em energia elétrica. A energia gerada é levada, através de cabos ou barras condutoras, dos terminais do gerador até o transformador elevador de tensão, onde tem sua tensão (voltagem) elevada para adequada condução até a subestação blindada a gás SF6.

Para saber mais
sobre como é
produzido esse tipo
de energia pela Usina
Hidrelétrica Itá, clique aqui e
acesse o PDF

Baixar PDF

Municípios da área de abrangência da Usina Hidrelétrica Itá

Santa Catarina

  • Alto Bela Vista

  • Arabutã

  • Concórdia

  • Ipira

  • Itá

  • Peritiba

  • Piratuba

Rio Grande do Sul

  • Aratiba

  • Marcelino Ramos

  • Mariano Moro

  • Severiano de Almeida

Pacuera

O Plano Ambiental de Conservação e Uso do Entorno do Reservatório Artificial – PACUERA -  da Usina Hidrelétrica Itá (UHE Itá), está em elaboração desde 2015, com objetivo de revisar e substituir o atual Plano Diretor do reservatório da UHE Itá, documento em vigência desde o ano 2000. 

A Resolução CONAMA nº 302, de 20 de março de 2002 em seu Artigo 4º, Parágrafo 2º determina que o novo documento passe pela Consulta Pública, presidida pelo órgão licenciador – IBAMA, com a finalidade de apresentar e discutir o PACUERA. 

As Consultas Públicas do PACUERA da Usina Hidrelétrica Itá aconteceram nos dias 28 e 29 de agosto, sendo realizadas estrategicamente nos municípios de Marcelino Ramos (RS) e Itá (SC). A realização fez parte de um processo de participação social, com caráter consultivo, aberto a qualquer interessado, na forma e com prazos definidos no seu ato de convocação, conforme determinação da Resolução CONAMA nº 9, de 3 de dezembro de 1987 e Minuta de Instrução Normativa IBAMA nº 4206327 de 21 de janeiro de 2019, que dispõem sobre os procedimentos de realizações de Audiências Públicas, Reuniões Técnicas Informativas e Consultas Públicas no âmbito do processo de licenciamento ambiental.

A participação foi voltada as comunidades dos 11 municípios lindeiros ao reservatório, com a presença de moradores, representantes da administração pública, Câmara de Vereadores, Poder Judiciário, conselhos municipais, entidades de classe, entre outras.

Após a realização das Consultas Públicas os municípios e interessados tiveram até o dia 12 de setembro para encaminhar sugestões de alterações ou inclusão ao texto do documento. Os encaminhamentos foram protocolados nas sedes do IBAMA de forma física ou virtual pelo e-mail: nla.rs@ibama.gov.br, onde permanecem para avaliação do órgão licenciador.

O documento da revisão do PACUERA está disponível no link abaixo, além disso, está disponível para consulta: em formato digital no endereço eletrônico do IBAMA: http://licenciamento.ibama.gov.br/ e fisicamente nas Prefeituras Municipais de Alto Bela Vista/SC, Arabutã/SC, Concórdia/SC, Ipira/SC, Itá/SC, Peritiba/SC, Piratuba/SC, Aratiba/RS, Marcelino Ramos/RS, Mariano Moro/RS e Severiano de Almeida/RS, no CDA – Centro de Divulgação Ambiental do Consórcio Itá em Itá/SC e na Usina Hidrelétrica Itá.



Notícias

Ver outras notícias